10.7.07

King Kong



2005
Aventura, Ação
Direção: Peter Jackson
Roteiro: Fran Walsh e
Philippa Boyens



Quer se divertir, rir e não precisar pensar? Assista esse filme! Peter Jackson cruza a fronteira entre o impossível e o completamente absurdo com uma segurança de quem sabe o que faz e a única coisa que consegui pensar quando me defrontava com os absurdos do filme era “Foda-se, tá muito legal!”.

Ann Darrow (Naomi Watts) é uma atriz desempregada que aceita trabalhar em um filme sobre o qual desconhece tudo por ser fã do roteirista Jack Driscoll (Adrien Brody). Carl Denham (Jack Black) é o diretor que após apresentar sua idéia à Universal Studios (rodar seu filme em uma misteriosa ilha deserta), percebe que esta será rejeitada. Assim, Denham “rouba” o navio que lhe seria disponibilizado, levando Ann, Jack e os outros envolvidos em sua produção rumo a um lugar habitado por enormes e perigosos seres pré-históricos.

King Kong, o gorila mais famoso dos cinemas, teve sua história contada pela primeira vez em 1933. Tendo este arrecadado US$ 90 mil em seu final de semana de estréia e evitado que a produtora RKO Radio Pictures falisse, em 1976 foi feita uma refilmagem que ao que parece não superou em nada o original. Quisera eu ter assistido a ambos para ter uma opinião formada a respeito disso. Porém posso apenas discorrer sobre a mais nova versão para esse clássico, feita em 2005 por Peter Jackson.

Soube que o roteiro manteve-se fiel à obra de 1933, e um marco como foi este primeiro na história do cinema, Peter Jackson tinha um belo desafio pela frente se ele não quisesse que a sua versão virasse apenas mais um King Kong. Por incrível que pareça, o desafio foi cumprido com sucesso.

Peter Jackson não tem medo de chutar o pau da barraca. Ele exagera nas intempéries que os personagens enfrentam de forma tão descarada que fazem quem está assistindo nem se importar com as bizarrices que acontecem. Desde um navio-pimball, passando por uma avalanche da pesada e uma protagonista que poderia-se julgar ser feita de borracha, até chegar ao gorila de 8 metros de altura, nada é impossível depois que você entra no clima do filme.

E o Kong propriamente dito é de fato apaixonável. Se eu fosse a Ann, largava o Jack pra lá e ficava na ilha com o gorila! Que monstrengo mais fofo. Claro, que ele continua sendo uma fera assassina e descontrolada a maior parte do filme, mas que ele é super fofo com ela, isso ele é.

Claro que 3 (três!!!) horas de filme não é pouca coisa e ouvi dizer que tem louco que se cansou do filme na metade (essa é pra você, marido), mas eu nem vi a hora passar de tão empolgada que estava. Se você, assim como eu, é fã do cinema fantástico, vai gostar desse filme!




Um comentário:

Johnny Strangelove disse...

eu adorei esse filme
vi no cinema, vi em casa, tenho que comprar o dvd. um filme espetacular. sem duvida
abraços