2.2.08

Saw III (Jogos Mortais 3)



2006
Suspense, Terror
Direção: Darren Lynn Bousman
Roteiro:
Leigh Whannell e James Wan




O quanto você dá valor à vida? Você realmente acredita que a merece? Tome cuidado, pois Jigsaw pode acreditar que não, ou pior, sua nova ajudante pode acreditar que não.

Jigsaw (Tobin Bell), ou melhor, John está morrendo, agora ele prepara seu último jogo e Amanda (Shawnee Smith) se prepara para tomar seu lugar. A Dr. Lynn Denlon (Bahar Soomekh) é levada para o covil, ela deve manter Jigsaw vivo para que ele possa assistir ao último jogo. Enquanto isso, Jeff (Angus Macfadyen), a nova vítima, tenta lutar contra os seus instintos para conseguir sair vivo.

Gostei bastante do primeiro, por ser diferente do batidão teen de sempre. O segundo já perdeu esse diferencial, a originalidade que havia me chamado a atenção em Jogos Mortais foi pro saco em Jogos Mortais 2, e a história deste é muito inferior. Porém, achei que entre o segundo e o terceiro filme, gostei mais do terceiro. Poiis, apesar de cometer o mesmo erro do segundo (a repetição), o terceiro filme da série se propõe a explicar os supostos pontos falhos dos anteriores. Essas explicações conseguiram amarrar bem os três filmes, apesar de acreditar que são elas que "estragam" o terceiro filme.

Ao meu ver, o grande motivo de Jogos Mortais 3 não ser um filme ótimo é como ele junta as cenas do passado (onde acontecem a maioria das explicações) com as cenas do presente. Ao contrário do primeiro filme, tudo ficou parecendo meio truncado. Parece que todas aquelas explicações não têm nenhuma função no filme em que estão inseridas (a não ser explicar os anteriores). Se esquecermos os primeiros filmes, essas explicações são completamente desnecessárias, pois não têm nenhuma ligação com a história de Jogos Mortais 3. Além disso, mesmo sendo explicações plausíveis, não consegui tirar de mim aquela sensação de que foram totalmente inventadas posteriormente para concertar o primeiro filme.

Mesmo assim, pelo menos esse filme volta a ter substância, enredo, alguma história. E começo a acreditar que isso é graças a James Wan, afinal foi no filme em que ele não participou da criação do roteiro, que esses itens valiosos foram deixados de lado. E a história de John é de fato intrigante, e a Amanda se mostra também uma personagem um pouco mais complexa do que aquela que aparece nos outros filmes. E esse é outro ponto forte do filme, os personagens voltam a ter personalidade, voltam a ser "tridimensionais".

E falando em Amanda, nesse filme ela é a responsável por boa parte dos jogos, por isso, prepare-se, violência em dobro. A mulher ficou obcecada com seu "trabalho" e ela se empenha em fazer os jogos ainda mais brutais, acredite se puder. Esse foi um fator que me desagradou, pois já mencionei outros dias que não sou lá muuuito fã de torturas e afins, mas não posso negar que nesse caso simplesmente faz sentido que as mortes sejam tão violentas.

Sobre o 4, tenho pouca esperança (ou nenhuma) de ser um filme de fato bom, por isso ainda não o assisti. Mas o farei em breve.


3 comentários:

Ma disse...

Pessoa! oi!
vou comentar na verdade mas é fazendo uma perguntinha... ontem vi um filme q me surpreendeu bastante e tbm me fez lembrar de vc e seu gosto típico e pessoal..hehe.. vc já assistiu i'm legend ?? bem, o melhor de quando não se le sobre o q é o filme antes de assisti-lo, é a surpresa q ele te causa, ainda mais quando o título sugere algo q nada tem a ver... enfim, só queria saber se viu e o q achou! ;)
beijinho

Johnny Strangelove disse...

Sejamos sinceros ... quando vimos filmes quando está fora do auge ... percebemos o quanto ele pode ser bom ... ou não ...
sempre faça isso ... coloque filme em xeque ...
abraços


e meu anjo ... Procure ver Persepolis o mais rapido possivel ...
beijos e abraços

tha disse...

Oi, Má! É, não vi esse filme ainda não... Não tô conseguindo acompanhar os lançamentos nos últimos anos. O que é muito doloroso para mim... snif.

JP, estou doida pra assistir Persepolis!