17.8.08

Ratatouille



2007
Animação, Comédia
Direção: Brad Bird
e Jan Pinkava
Roteiro:
Brad Bird
e Jan Pinkava




Já fazia um certo tempo que eu assisti a última animação que me deixou empolgada. Teve Madagascar, teve Carros, mas apesar de serem desenhos engraçados e bem bonitinhos, não foram assim, como Shrek, Procurando Nemo, A Era do Gelo ou Os Incríveis. E eu já estava desistindo. Até assistir Ratatouille.

O pequeno ratinho Remy não é como os outros. Remy tem olfato e paladar aguçados que fazem com que sua mente divague imaginando os melhores sabores, as melhores combinações alimentícias. Remy não quer mais comer lixo, ele quer ser um cozinheiro! E é na amizade com o atrapalhado Linguini, faxineiro de um famoso restaurante cujo dono havia falecido recentemente, que Remy encontra a possibilidade de realizar seu sonho.

Meus pais já haviam avisado: não é um desenho para crianças. E mais: é ótimo! Eu, confesso, não havia entendido muito bem o que eles quiseram dizer com isso. Lembrei de Os Incríveis, que continha diversas piadas a respeito da meia-idade, mas não conseguia imaginar que tipo de piadas poderiam ser as de um desenho sobre um ratinho cozinheiro. Pense comigo, um desenho sobre um ratinho cozinheiro. Quer coisa mais bonitinha e 'pra crianças' do que isso?

Pois bem, fui lá assistir a tal animação. Primeiro: no final expeli até minha alma pelos olhos; me matei de chorar. Segundo: não é para crianças. Terceiro: é ótimo!

Explicando. Claro que se uma criança assitir o desenho vai achar uma gracinha e vai achar o Remy cuti-cuti,e tal; mas estou certa que vai perder 80% do que ele tem a oferecer. O que deixa o filme 'adulto' não são as piadas, é o roteiro. O roteiro é muito mais complexo e trabalhado do que pode parecer, e, arrisco, um pouco tenso demais para uma criancinha. Eu fiquei mais da metade do tempo apreensiva, achando que a qualquer momento algo terrível iria acontecer - acho que é por isso que chorei tanto no final, a tensão acaba e a gente tem que colocar ela pra fora de alguma forma. De qualquer forma, o roteiro tem um desenrolar nada óbvio que ruma para um final incomum e delicioso.

Os personagens são lindamente trabalhados e, creio eu, essa foi a primeira animação que não possui o típico personagem puramente engraçado que fica na cola do personagem principal o tempo todo. O Remy é, de fato, cuti-cuti; o Linguini é engraçado - mas de uma maneira diferente - e simpático; o crítico gastronômico Anton Ego é formidável e a caracterização dele, perfeita; a cozinheira Colette é uma graça; e o chefe Gusteau é, literalmente, fofo. Talvez o personagem que eu menos tenha gostado seja o chefe Skinner, um pouco caricato demais.

O filme é muito lindo, e, se me permitem sugerir, não deve ser assistido com fome. Dá muita vontade de mergulhar nas sopas e nos pratos refinados do Remy. Aliás, ainda vou querer aprender a fazer... ratatouille.

5 comentários:

pink disse...

uma delicia esse filme, nao é mesmo? sinceramente, nao sei se prefiro ler suas criticas antes ou depois de ver os respectivos filmes... as duas possibilidades sempre foram otimas pra mim!
e ah, da proxima vez eu faço um ratatouille pra vcs. nao prometo que fique tao bonito e refinado como o dele, mas...
bjao!

Johnny Strangelove disse...

Desculpa Tha ...

Mas esse filme é fraquinho demais ...
Chato, sem graça, personagem pediantes, salvando apenas o critico. Um filme extremamente superestimado ... e pensar que o Oscar de Persepolis foi roubado por esse rato de araque ... é o que mais doi meu peito como cinefilo ...


abraços

Sandro Cavallote disse...

Ratatui é ótimo! E Brad Bird fez outra animação sensacional: O Gigante de Ferro. Recomendo muito!

Anônimo disse...

Fico triste pelo Johnny Strangelove, por ele nao ter captado a essencia do filme. Triste por ele nunca ter tido, um momento como aquele..... ratatuille

Anônimo disse...

...please where can I buy a unicorn?